segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Sobre ser publicitário

Não fiz direito, não sou uma pessoa tão "culta" e sabedora das leis como um bom advogado. Não estudei 5 anos para fazer uma prova difícil chamada de OAB e ser aplaudida por ter conseguido passar.
Não fiz medicina, não conheço nada do corpo humano e suas mazelas. Tenho medo de sangue e não tenho esse espírito de ajudar as pessoas que encantam muita gente. Ser médico é vocação, muitos dizem, ser médico é motivo de admiração, afinal, você é médico, você estudou 6 anos para isso.
Não sou enfermeira, não sou aquela pessoa na qual todos elogiam "nossa, você é enfermeira" que é lindo cuidar dos outros. Isso sim é pessoa boa.
Também não sou engenheira... Não passei 5 anos da minha vida estudando cálculos complicados e também não sei nada de matemática.
Talvez as pessoas não vão me olhar com orgulho e dizer "Nossa, ela é médica, ou engenheira ou enfermeira ou advogada" talvez não vão me elogiar ou me admirar por não ser nenhuma dessas profissões. Podem até dizer que a profissão não é nada demais, apenas mais uma nesse mundo, onde só as outras são dignas de orgulho.
Ser publicitário é mais que estudar 4 anos sobre de tudo um pouco. Ser publicitário é entender a mente humana como um médico, saber sobre as leis como um bom advogado, cuidar das pessoas como um bom enfermeiro e diagramar e calcular tudo, como um bom engenheiro.
Ser publicitário não é apenas ser um bom carismático, é ser tudo em um só, afinal, todos tem problemas e nós somos a solução.


Fiz essa postagem mais como uma carta de desabafo, por que muita gente desvaloriza e não sentem admiração ou orgulhos quando dizemos nossas profissões. Principalmente, músicos, professores ou publicitários. Sinto isso por que muitas pessoas da minha família não veem com bons olhos e também vivem fazendo chacotinha. Então... Sintam-se a vontade e médicos, advogados, enfermeiros e engenheiros, sorry, mas citei por que a recíproca é verdadeira.


Gostou da postagem? Então desabafe aqui sobre alguma coisa que já lhe disseram sobre sua profissão e não esquece de me seguir... Beijos galáxicos!

sábado, 19 de setembro de 2015

Quem disse, Berenice? (Minha opinião)

Caotinhooooooooos, como estão? O post de hoje é sobre a marca "quem disse, Berenice?" uma franquia da boticário que pelo menos, para mim, está dando certo. Com esse jeito descontraído e jovial, a marca vem conquistando muitos fãs. De certo que os produtos são de ótima qualidade e com um preço super acessível.
Vou contar um pouco da minha história.
Eu conheci a marca através de um feed de notícia do facebook com a promoção "troque seu batom velho por um novo" ou seja, você cadastrava e pegava seu cupom, ia na loja no dia da promoção (que no caso foi o dia do beijo) levava o batom velho e escolhia o novo. Eu escolhi no dia o batom cremoso "rosão" que eu particularmente achei lindo demais *-* Daí, me cadastrei no site para receber novidades e dei de cara com uma promoção da Berê e como eu estava precisando de perfume, eu o comprei junto com o batom cremoso "lilás lavanda". Achei que ele ia ficar muito apagado em mim já que sou parda, mas por fim que eu adorei, ficou muito bonito e o perfume foi o céu azul, achei muito cheiroso, como ele é pequeno, levo comigo na mochila para sempre retocar o cheiro quando necessitar kkkkkkkkk...


Recentemente peguei mais um brinde de uma promoção que eles fizeram "isso é para mim" - Achei esse marketing sensacional, por que muitas mulheres tem vergonha de usar ou fazer coisas só por que se acham velhas ou novas demais e essa propaganda veio justamente para quebrar esses tabus de que sim, você pode fazer uma maquiagem pesada estilo rockeiro, mesmo com 50 anos de idade. O meu brinde foi o lápis delineador preto (achei super bonito e prático). Eu tenho o delineador líquido da boticário mesmo e também gostei, embora seja muito difícil passar kkkkkkk...
Enfim, é isso... Se você quer comprar algum produto dessa nova linha, eu recomendo. Achei super práticos e bonitos...



Gostou da postagem? Então comente aqui embaixo se você já comprou algum produto da Berê e não esquece de me seguir! Beeeeeijos galáxicos...

sábado, 12 de setembro de 2015

Tive que postar

Tive que postar esse vídeo, por que ele simplesmente é muito bom (para os amantes de piano) :O


Para Elisa do Beethoven em versão Ragtime. Eu já adorava "Fur Elise" e misturou com um dos meus gêneros musicais favoritos, que é o Ragtime. Ficou uma combinação muito boa, muito boa mesmo 
*-*
Estou muito surpreendida (Olha que eu não costumo ficar surpreendida tão facilmente).
Quem está tocando, acredito eu que seja o Ethan Uslan, que aparentemente também gosta muito do Ragtime.


Uma pequena explicação básica sobre o que é o Ragtime:

É um estilo musical norte - americano que teve sua popularidade entre 1897 e 1918. Começou como uma música de dança mais popular, hoje, ele é publicado como partitura popular para piano. É muito comum escutarmos ragtime em desenhos animados antigos, juntamente com canções de Chopin, Mozart e Beethoven (os mais conhecidos, pelo menos) e também, novelas de época. O ragtime é uma modificação da marcha, por isso tem essa batida mais compassada, pelo que eu andei lendo, inicialmente era composta por tempos 2/4 ou 4/4 com predominância da mão esquerda para atingir um acompanhamento mais grave. Depois surgiu o compasso 3/4 que denominou-se "valsa ragtime".
O nome vem da expressão "ragged time" que significa "dar o tempo" ou seja, um ragtime precisa de prática para entrar na batida rápida que muitas vezes é tocado. Então, Scott Joplin (o rei do rag) sempre dizia que você devia tocar devagar até pegar o swing, dar o tempo e consequentemente, com o tempo, o nome se tornou apenas ragtime.


Gostou da postagem? Então comente aqui embaixo de você já ouviu falar nesse estilo musical curioso e se sim, me diga o que achou!!! 
Ahhh... Não esquece de me seguir =D
Beijos galáxicos :*

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Eco

Quando olho para trás, vejo o passado como algo muito próximo, como se ele não fizesse parte do que ficou para trás.
Minhas lembranças, minhas memórias. Todas as pessoas que eu conheci, todas as pessoas que eu gostei. Talvez nenhuma delas realmente se importaram verdadeiramente comigo e eu me sinto sozinha.
Quando eu morava em Rio Grande, eu não costumava ter amigos ou sair para brincar e Inuyasha foi o desenho que preencheu o vazio que eu sentia. O frio, a cidade pequena, um céu nublado e um vento gélido costumavam estar presente em toda minha infância, afinal, morei no sul a maior parte da minha vida. Por isso tenho tanta afinidade com ele, por que nós dois nos entendemos.
De alguma forma, sinto falta do que deixei para trás e fico imaginando como teria sido. Que tipo de pessoa eu teria me tornado?
Apesar de eu não ser uma má pessoa, eu sinto que há algo em mim que ninguém gosta, algo que afasta as pessoas, principalmente familiares. Sei que, não sou uma pessoa tão carinhosa, tenho momentos de pura solidão e mau humor, mas não faço mal a ninguém, só quero encontrar algum lugar na qual eu pertença. Um lugar que ninguém olhe para mim torto e pense de forma negativa, o tempo todo. 
Tenho a impressão de estar andando em círculos, fazendo a mesma coisa e passando pelos mesmos caminhos, como se houvesse mais nada para eu saber ou conhecer. Tudo que eu conheço está indo embora.
Velhos hábitos precisam sumir e uma nova estrada precisa começar.

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Nuvens que passam e não voltam mais

Hoje me peguei escutando essa música "minha vida" da Rita Lee e lembrei de você. Quando éramos pequenos e como costumávamos ser tão apegados.
"Entre todos os amores e amigos, de você, me lembro mais" sim, nunca esquecerei de você, não só pelo fato de você ser meu irmão, mas por que você sempre esteve presente em todos os momentos, sempre foi você que me ensinou as coisas e até a cozinhar. Mas por algum motivo, eu só sinto sentimentos ruins e todas as nossas memórias se conflitam dentro de mim.
Toda vez que vou na varanda e olho o pôr do sol, fico imaginando o que você estaria fazendo uma hora dessas. Que irônico, a história da minha vida é inspirada em nós mesmos, não que a gente vivesse brigando, mas por que a gente queria fazer um elo para nunca se separar.
Eu sinto muito por suas escolhas e por você ser tão difícil de lidar (não que a gente não seja), só queria que pelo menos uma vez na vida você pensasse nos outros.
A vida não é tão fácil assim e a cada dia que passa, perdemos algo. Nós perdemos nosso elo.

"Seria tão bom se nós pudessemos guardar e jogar fora tudo, exceto o que realmente importa.
Mas a realidade é simplesmente cruel. São nessas horas que vejo o seu rosto sorridente, sempre que fecho os meus olhos. Até o dia em que eu conseguir alcançar o sono eterno, aquele rosto sorridente irá ficar comigo sem falhar.
Estarão todas as pessoas tristes? Elas são apenas criaturas esquecidas? Tudo para que você pudesse amar, tudo para entregar o amor. Era tudo que podia fazer.
Naquela época, quando nos encontramos, tudo estava tenso entre nós. Nós pegamos a longa estrada, não foi? E machucamos um ao outro no caminho, não é?
Nós pegamos a longa estrada, mas finalmente chegamos."


Só não tenho muitas palavras... Apenas queria que estivesse aqui.